Formulário de Contato

Produção de colaboradora da SDS se destaca e é reconhecida pela OPAS/OMS em Washington

Produção de colaboradora da SDS se destaca e é reconhecida pela OPAS/OMS em Washington

O projeto desenvolvido por Carolina Musso foi eleito uma das quatro melhores experiências da rede de informação estratégica de vigilância em saúde brasileira, Cievs, em 2021

Por: Malu Sousa | Comunicação SDS

Entre 14 a 18 de novembro de 2022, os quatro melhores projetos apresentados durante a Expocievs foram convidados a realizar uma visita técnica para troca de experiências, no escritório regional da OPAS em Washington, D.C. Entre os projetos eleitos, estava o da colaboradora da Sala de Situação de Saúde (SDS), Carolina Musso, desempenhado no âmbito do Cievs/DF.

O projeto desenvolvido por Carolina, envolvendo atividades de fortalecimento das ações de resposta da covid-19 no Brasil, ganhou destaque e reconhecimento na 1ª Mostra Competitiva de Experiências e Práticas de Sucesso do Cievs estadual e municipal (Expocievs). Ao todo, participaram 20 projetos de todo o Brasil.

A mostra reuniu e avaliou práticas de sucesso implementadas pela Rede Cievs no desenvolvimento e aplicação de ferramentas e ações difundidas em nível estadual, municipal, de fronteira e Departamentos Especiais de Saúde Indígena (DSEI), em relação à detecção, verificação, alerta, resposta e comunicação durante a pandemia da covid-19.

“A possibilidade de reunir níveis desde o municipal até o internacional foi uma oportunidade incrível. Compartilhar conhecimentos e experiências não só nos permite melhorar os processos, mas também conhecer o trabalho uns dos outros, criando mais coesão, um senso de comunidade e cooperação”, relata Carolina Musso.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, a visita a Washington complementa os esforços do Ministério da Saúde, e teve o objetivo de favorecer a cooperação entre os profissionais premiados na Expocievs e a equipe da OPAS/OMS, que desempenha as funções de detecção, verificação e alerta em emergências de saúde pública.

Além de Carolina Musso, profissionais dos Cievs de Santana do Livramento-RS, Campo Grande-MS e Fortaleza-CE participaram do encontro em Washington, D.C.

Cievs

Objetivando o fortalecimento das ações de resposta da covid-19 no Brasil, e as competências nacionais no âmbito do Regulamento Sanitário Internacional, o Ministério da Saúde, com o apoio técnico da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), implementou um projeto para expandir e consolidar a Rede de Centros de Informação Estratégica de Vigilância em Saúde (Cievs) do Governo Federal. 

Trajetória

Carolina Musso é bacharel e licenciada em biologia pela Universidade de Brasília (UnB). “O início da minha trajetória foi focado em Ecologia, e desde então também me aproximei das áreas exatas e estatística, ecólogos costumam ser ligados a esses temas também, e sempre busquei complementar a formação com matérias e cursos nessa área.”

No fim da graduação, a bióloga foi contemplada com uma bolsa do banco Santander para fazer um intercâmbio na Universidade de Aveiro, em Portugal, onde estagiou em um laboratório de Ecotoxicologia. Em 2010, durante o intercâmbio, foi aprovada para fazer o doutorado na mesma universidade, com financiamento da Fundação para Ciência e Tecnologia de Portugal. 

Após defender o doutorado, em 2015, Carolina foi selecionada para uma bolsa de pós-doc do programa Ciências sem Fronteiras para repatriação de recém-doutores. 

“Fiquei de 2015 até 2018 no Departamento de Ecologia da UnB como pós-doc e pesquisadora-colaboradora, nesse período ministrei diversas disciplinas e orientei alunos de estágio final.”

Nesse meio tempo, ela foi aprovada para uma vaga bióloga no concurso da Secretaria de Saúde do DF, onde começou a trabalhar na área de Vigilância Ambiental e a ter os primeiros contatos com a área de Vigilância em Saúde e Epidemiologia.

“Minha vida gira em torno do R”

Desde o doutorado, Carolina já havia se aprofundado na linguagem de programação R, utilizada para todas as análises estatísticas e visualizações da tese, tendo continuado a utilizar nos trabalhos que foram gerados durante o Pós-Doc. 

“Enquanto trabalhei na vigilância ambiental, não tive muita oportunidade de utilizar essas habilidades em R. Mas tudo mudou quando fui contemplada com uma bolsa de Epidemiologista Junior para o projeto Arbocontrol, na SDS.”

Ao falar sobre sua carreira, Carolina menciona que em tudo está relacionado com a visita de Washington, D.C., mas de uma forma indireta compreende que está. “Minha vida gira em torno do R, e foi isso que rendeu o prêmio.”

Desde que começou a trabalhar na Sala de Situação de Saúde (SDS), a bióloga se viu diante da oportunidade de aplicar os conhecimentos em R para análises, automatização de processos, entre outras rotinas de trabalho. Mas, no projeto em questão, trabalhou com a avaliação de sistema da Zika. 

“Posso dizer que meu ingresso na SDS foi um ponto central para direcionar os conhecimentos em R para epidemiologia e os serviços de vigilância à Saúde, que culminou na automatização da vigilância da Covid-19 no DF, que por sua vez culminou no prêmio que me levou a Washington.”

Ao final da bolsa, Carolina conta que recebeu do coordenador da SDS, Jonas Brant, uma indicação para o cargo de chefe do Cievs/DF. A bióloga então foi transferida da Vigilância Ambiental para o Cievs, com a missão específica de automatizar o boletim epidemiológico diário de Covid-19, emitido pelo centro. 

“O setor não estava mais conseguindo analisar os dados em excel devido ao volume e estava ficando impraticável”, relata Musso.

Foi por conta dessa automatização do boletim diário, além de outros processos (envio de emails para as regiões de saúde com o banco atualizado daquelas regiões), bem como informes menores, todos automatizados em linguagem R, que a equipe de Carolina conseguiu economizar horas de trabalho semanais, além de reduzir a taxa de erros das análises. 

Nesse sentido, foram os resultados da automatização do boletim diário de Covid-19 que Carolina e equipe apresentaram no Expocievs de 2021. O Prêmio foi a visita técnica para Washington, D.C. que só foi concretizada em novembro de 2022 por conta da pandemia. 

“Atualmente esses serviços automatizados são realizados por outro setor (usando o código que eu escrevi), mostrando que é uma análise reprodutível”, afirma. 

Em 2022, no Expocievs II, Carolina apresentou as inovações no script e transferência da análise para área técnica, conseguindo manter a execução de todos esses scripts e atividades e foi novamente premiada, dessa vez em 2º lugar. 

Desde o fim do projeto Arbocontrol, Musso atua na SDS como especialista, tendo contribuído, principalmente, com o grupo dos Guardiões da Saúde na automatização das análises epidemiológicas das bases. Além disso, colabora com aulas eventuais e, também, mantendo o contato com o Departamento de Estatística da UnB para proporcionar cursos gratuitos na área de programação para os integrantes da sala.

Ministério da Saúde

Atualmente, Carolina atua como consultora técnica no Ministério da Saúde, apoiando a equipe de análise com automatizações em R, e junto à Profesp, com cursos e formação em R. 

“No início de 2022,  ministrei um curso no Ministério da Saúde, cujo relato foi selecionado para apresentação na Conferência Latino Americana de R em outubro.”

Carolina Musso também possui especialização em Ciência de Dados pelo Ceub, tendo apresentado como tcc uma automatização para melhora da qualidade do banco de dados da Dengue do Sinan, que também foi apresentado no congresso de Medicina Tropical, em Belém-PA, e, de acordo com a bióloga, tem ajudado muito a área técnica das arboviroses a desafogar o volume de trabalho. 

.

Confira mais trabalhos de Carolina Musso:

Site onde é publicado o boletim automatizado (que é emitido até hoje, mas agora pela área tecnica da gripe, mas usando os scripts desenvolvidos por Carolina Musso): https://www.saude.df.gov.br/boletinsinformativos-divep-cieves

Automatização de informação de óbitos: congresso de E-vigilancia (pag. 18): https://e-vigilancia.dengue.mat.br/images/e_vigilancia_2021.pdf 

Apresentação da automatização do envio de e-mails, apresentado no RDay:  https://www.youtube.com/watch?v=gB9f0wmdth8 

Trabalho apresentado pelos Guardiões da Saúde da SDS no RDay, com as automatizações das análises deles: https://www.youtube.com/watch?v=51R2O5bdMLE&t=3s 

Trabalho de TCC da pós no Ceub sobre automatizações para area da Dengue: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/16246/1/Carolina%20Musso%20%281%29.pdf 

Apresentação do curso que R, ministrado no MS que foi apresentado no Latin-R: https://www.youtube.com/watch?v=6PILgf_1ZOI 

Aulas ministradas na SDS sobre R:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Precisa da nossa ajuda?
A Sala de situação quer te apoiar a melhorar seu trabalho, conte conosco para fortalecer a vigilância em saúde em sua área de atuação.

    pt_BRPT_BR