Formulário de Contato

08.06 Alterações laboratoriais na Covid-19

A importância do laboratório clínico no acompanhamento, evolução e diagnóstico das doenças está bem claro. E nesse momento de pandemia pelo COVID-19, vários estudos vêm sendo feitos para elucidar melhor quais biomarcadores se apresentam como indicadores e estão envolvidos na evolução da doença, podendo ser utilizados em estudos para o prognóstico do paciente. As alterações laboratoriais mais encontradas em infecção por SARS-CoV-2, geralmente vem acompanhadas de leucocitose ou leucopenia, em estágios agudos e/ou iniciais há presença de linfopenia severa, além de neutrofilia, que tem sido atribuída com um prognóstico mais desfavorável (HE et al., 2020; GUAN et al., 2020; YI et al., 2020).
As alterações laboratoriais mais comuns em infecções causadas pelo SARS-COV-2 são relacionadas a cinética e produção de proteínas inflamatórias. Ocorre aumento de 75%-93% da Proteína C reativa (PCR) com concomitante diminuição sérica 50%-98% da albumina. A variação na contagem total de leucócitos é comum, podendo ser evidenciada pelo aumento ou diminuição em seus valores, com exceção a contagem de linfócitos, que em 75% dos estudos encontra-se linfopenia acentuada. A diminuição nos índices da hematimetria também são frequentes, sendo que a diminuição da hemoglobina e aumento da taxa de sedimentação de eritrócitos (VHS) ocorre em 41%-50% e 15%-85% dos doentes, respectivamente. Alterações nas enzimas hepáticas alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST) ocorrem de 8%-37% e lactato desidrogenase (LDH) em aproximadamente 12% (LIPPI e PLEBANI, 2020).
Várias interleucinas participam da resposta inflamatória na infecção pela COVID-19 e de acordo com a evolução da doença ocorre o aumento das mesmas. Por isso nos primeiros dias de infecção, a evolução da doença pode levar a quadros de pneumonia com grave sintomatologia respiratória podendo levar a morte. As principais interleucinas envolvidas nesse processo são interleucina-6 (IL6), 2 (IL2), 7 (IL7) e 10 (IL10), fator estimulador de colônias granulocitárias (GCSF), proteína
induzida por interferon gama, proteína quimiotática de monócitos (MCP) e fator de crescimento transformante alfa (TGFα) (SINGHAL, 2020).
Características laboratoriais como linfopenia grave, tempo prolongado de
protrombina (PT), dímero-D, PCR e transaminases de pacientes internados em UTI, mostram-se mais elevadas em comparação a pacientes que não foram submetidos a internação (SINGHAL, 2020).

A relação plaquetas/linfócitos também pode ser utilizada como marcador sistêmico para avaliar o prognóstico em associação ao período de internação hospitalar (HE et al., 2020; WU et al., 2020).
A amplitude da distribuição de monócitos foi o parâmetro recentemente descoberto em associação ao estado do paciente, observou-se que nos casos de COVID-19 houve um aumento desse índice, principalmente nos estados mais graves. Ao passo que várias proteínas inflamatórias aumentam, os valores de albumina sérica diminuem. Coinfecções bacterianas são comuns, devido ao estado debilitado do paciente, por isso a quantificação seriada da PCT pode auxiliar na terapêutica mais adequada, porém mais estudos devem ser realizados para confirmar essa abordagem (GALLI e PLEBANI, 2020; LIPPI e PLEBANI, 2020)
Diferentes estudos e artigos publicados mostraram correlações entre os exames laboratoriais, gravidade da doença e prognóstico do paciente, indicando que quanto mais grave o estado clínico, mais alterações laboratoriais serão encontradas. Porém essas correlações não são uniformes entre si, mostrando a importância para que seja feito mais estudos clínicos e laboratoriais ligados a infecção do SARS-COV-2 (ZHOU et al., 2020).


Referências


Chen N, Zhou M, Dong X, et al. Epidemiological and clinical characteristics of 99 cases of 2019 novel coronavirus pneumonia in Wuhan, China: a descriptive study. Lancet. 2020. Publicação online 2 janeiro; 395: 507-13. DOI: 10.1016/S0140-6736(20)30211-7.
He S, Tang S, Rong L. A discrete stochastic model of the COVID-19 outbreak: forecast and control. Math Biosci Eng. 2020; 17(4): 2792-804. DOI: 10.3934/mbe.2020153.
Guan WJ, Ni ZY, Hu Y, et al. Clinical characteristics of coronavirus disease 2019 in China. N Engl J Med. 2020; Publicação online 28 fevereiro. DOI: 10.1056/NEJMoa2002032.
Yi Y, Lagniton PNP, Ye S, et al. COVID-19: what has been learned and to be learned about the novel coronavirus disease. Int J Biol Sci. 2020; 16(10): 1753-66. DOI: 10.7150/ijbs.45134.
Lippi G, Plebani M. Laboratory abnormalities in patients with COVID-2019 infection. Clin Chem Lab Med. 2020. [Publicação online ahead of print, 3 março 2020] DOI: 10.1515/cclm-2020-0198.
Singhal T. A review of coronavirus disease-2019 (COVID-19). Indian J Pediatrics. 2020; 87(4): 2810-86. DOI: 10.1007/s12098-020-03263-6.
Wu J, Li W, Shi X, et al. Early antiviral treatment contributes to alleviate the severity and improve the prognosis of patients with novel coronavirus disease (COVID-19). J Internal Med. 2020. [Published online March 27, 2020]. DOI: 10.1111/joim.13063.
Galli C, Plebani M. Clinical laboratory and SARS-CoV-2 infection: where do we stand? Clin Chem Lab Med. 2020. [Publicação online ahead of print, 24 março 2020]. DOI: 10.1515/cclm-2020-0372.
Lippi G, Plebani M. Procalcitonin in patients with severe coronavirus disease 2019 (COVID-19): a meta-analysis. Clin Chim Acta. 2020; 505: 190-91. DOI: 10.1016/j.cca.2020.03.004.
Zhou F, Yu T, Du R, et al. Clinical course and risk factors for mortality of adult inpatients with COVID-19 in Wuhan, China: a retrospective cohort study. [published online ahead of print, 2020 Mar 9]. Lancet. 2020; 395: 1054-62. DOI: 10.1016/
S0140-6736(20)30566-3.

Comment on this FAQ

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisa da nossa ajuda?
A Sala de situação quer te apoiar a melhorar seu trabalho, conte conosco para fortalecer a vigilância em saúde em sua área de atuação.