Formulário de Contato

16. COVID-19 em profissionais da saúde das Américas

A organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) divulgou em alerta
epidemiológico datado de 31 de agosto de 2020 que os profissionais de saúde das américas são os mais infectados por SARS-Cov-2 do mundo, com os números aproximados de 570 mil infectados e 2,5 mil óbitos até o presente momento desta revisão em 3 de setembro de 2020. Os casos são mais alarmantes nos Estados Unidos da América e no México, que compõem 85% de todos os óbitos entre trabalhadores da saúde das américas, e onde um em cada sete casos de COVID-19 é de um profissional da saúde.
Alguns pontos foram levantados no alerta epidemiológico como possíveis
causas desse número expressivo, como no início da pandemia onde os profissionais não tiveram treinamento suficiente para lidar com o novo agente e forma de proteção, o contato desprotegido com pacientes ou colegas de trabalho infectados, a demora da instalação de protocolos de triagem nos centros de atendimento à saúde, a falha na realização dos procedimentos de segurança, procedimentos realizados geradores de aerossóis, número escasso de equipamentos de proteção individual (EPI) como máscaras e aventais e seu uso inadequado. Sugeriu-se que
para reduzir esse número os governos dos países americanos devem garantir aos seus profissionais de saúde treinamento adequado para lidar com os pacientes, equipamentos de proteção individual, condições de trabalho seguras e remuneração justa.
Citou-se também como fator de risco a saúde mental dos profissionais de
saúde que estão lidando com uma nova doença, estresse, sobrecarga de trabalho, reduzido número de profissionais, alto número de óbitos, superlotação dos sistemas de saúde, escassez de insumos, condições de trabalho inadequadas, isolamento social próprio, e mesmo agressões por parte da população.
A organização mundial de saúde (OMS) em março de 2020 divulgou um guia com cuidados para saúde mental durante a pandemia, abordando para os profissionais de saúde formas de autocuidado, redução do isolamento por meios virtuais pelo estigma que profissionais de saúde poderiam ser vetores e formas de facilitar a comunicação; e para líderes de equipe e supervisores em postos de saúde formas de melhorar as condições de trabalho para a equipe e reduzir o estresse relacionado ao enfrentamento a pandemia.
O estudo de MONTEIRO (2019) com profissionais de saúde de um hospital
do Rio Grande do Sul mostrou que a sobrecarga de trabalho na emergência gera mais dano aos profissionais de saúde desse setor que lidar com o óbito dos pacientes, enquanto que na clínica médica, o apego aos pacientes e sua
proximidade faz com que a morte seja muito dolorosa a equipe de trabalho.
Trazendo a informação do estudo para o ambiente de pandemia em que vivemos, todos os profissionais de saúde estão em situações de potencial sofrimento dentro e fora do ambiente de trabalho, tanto pelo apego ao paciente quanto pela sobrecarga de trabalho e superlotação das emergências.
O centers for disease control and prevention (CDC) americano cita a
necessidade de que os profissionais de saúde saibam reconhecer os sinais de estresse e busquem orientação profissional, antes de sua evolução. Pois, o estresse no trabalho pode levar a síndrome de burnout, fadiga de compaixão, transtorno de estresse agudo, transtorno de estresse pós traumático, ou traumatização vicária.

Referências:

  • CDC. Healthcare Personnel and First Responders: How to Cope with Stress and Build Resilience During the COVID-19 Pandemic. 2020. Disponível em: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019ncov/hcp/m entalhealthhealthcare.htmlCDC_AA_refVal=https%3A%2F%2Fwww.cdc.gov%2Fcoronavirus%2F2019-ncov%2Fcommunity%2Fmental-health-healthcare.html. Acesso em: 08 set. 2020.
  • Monteiro, D.T. et al. “Health Professionals’ Mental Health: A Look at their Suffering”. Temas em Psicologia, vol. 27, no 4, 2019, p. 993–1006. doi:10.9788/TP2019.4-12.
  • Pan American Health Organization / World Health Organization. Epidemiological Alert: COVID-19 among healthcare workers. 31 August 2020, Washington, D.C.: PAHO/WHO; 2020

Comment on this FAQ

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisa da nossa ajuda?
A Sala de situação quer te apoiar a melhorar seu trabalho, conte conosco para fortalecer a vigilância em saúde em sua área de atuação.